A Voz do Autor — Entrevista com Bruna Frascolla, autora da Edufba

A autora conta sobre os desafios da tradução da obra de David Hume

Cadastrado em 20/02/2017 07:56
Atualizado em 20/02/2017 15:13

Entrevista por ABEU

A Voz do Autor — Entrevista com Bruna Frascolla, autora da Edufba

Para a conversa desta semana da coluna A Voz do Autor, trouxemos uma entrevista que já é destaque no portal da Editora da UFBA. Com bacharelado em Filosofia e Mestrado na Universidade Federal da Bahia, além de um doutorado já encaminhado na mesma área, Bruna Frascolla Bloise foi a autora responsável pela tradução de "Diálogos sobre a religião natural", de David Hume, lançado em 2016 pela Edufba. A tradutora e mestra em Filosofia fala sobre a complexidade e o desafio de traduzir obras, o mercado editorial de traduções no Brasil e, o debate contemporâneo na esfera pública sobre a existência de Deus, temática discutida por Hume na obra que a autora traduziu. Confira abaixo a entrevista completa. 

1) Em setembro de 2016, você lançou a tradução do livro "Diálogos sobre a religião natural". Como surgiu a proposta de estudar Hume e traduzir esta obra?

Na época, dei por óbvio que seria historiadora da filosofia, e a praxe demanda que me especialize em um autor. Dado que eu ia ser especialista em um autor, isso queria dizer que eu teria que passar muito tempo lendo-o. Então eu escolhi um que escrevesse bem e que fosse uma delícia de ler, de modo que eu não me cansasse nunca. E está para nascer filósofo que escreva melhor do que Hume. Na verdade, foi o que o salvou: como ele era “o infiel”, nunca foi aceito numa universidade britânica; assim, escreveu best-sellers e viveu disso muito bem. Só escreve como Hegel quem tem a vida ganha.

Tive a ideia de traduzir os Diálogos no meu mestrado, que foi sobre essa obra. É tão bonita, e estava esgotada no Brasil, além disso, há uma edição britânica bem completa onde constam em rodapé os parágrafos omitidos dessa obra que foi feita para enganar a censura religiosa. Nenhuma edição em português os tinha, e esta da Edufba é a primeira. Como a obra tem um histórico conturbado de redação, acrescentei ainda cartas de Hume que mostram isso.

2) Quais foram os desafios que você enfrentou ao fazer a tradução de “Diálogos sobre a religião natural”?

Eu aprendi a traduzir com essa obra. Isso, por si só, é desafio. Eu gostaria muito de ter lido a Escola de tradutores, de Paulo Rónai, antes de ter começado, porque eu teria tido menos trabalho para tomar as decisões que tomei. Por exemplo, o leitor comum acha que fidelidade se mede sobretudo por literalidade, mas veja-se o caso de um romance epistolar em que mocinho e mocinha vão ganhando intimidade: no original anglófono, é you o tempo inteiro, mas em português mudamos os pronomes à medida em que ganhamos intimidade; assim, o bom tradutor inicia-se com “o senhor” e terminar em “você” ou “tu”. O que interessa, mesmo, é a fidelidade, e fidelidade não se consegue sempre com literalidade.

É necessária, então, certa sensibilidade para tomar decisões. Esse exemplo que tomei de Rónai é literário; e a filosofia do séc. XVIII, que é extramuros, ou seja, é independente da universidade, é literária. Logo, tem as dificuldades da tradução literária. Além disso, é filosofia, e, portanto, demanda o cuidado da tradução filosófica- que é a uniformidade ao traduzir termos-, por último, tem a dificuldade da idade: o inglês ganhara dicionário havia muito pouco tempo e nem era a língua materna de Hume,(era o scot, o dialeto escocês das Terras Baixas, parecido com o inglês, e que não é o dialeto das Terras Altas, o gaélico, que é dos habitantes anteriores à conquista romana e não tem nada a ver com inglês.), então há palavras que Hume usa lá no  séc. XVIII com significado que não consta em dicionário nenhum.

Como descobrir esses significados? Bom, há aqueles momentos em que nenhum sentido do dicionário se encaixa. Um é quando o fideísta diz que todo homem sente a própria imbecillity, e então procura o “Todo Poderoso”. Imbecilidade, que é o sentido de hoje, não serve, por que o devoto diria que todos somos imbecis? Como Hume cita muito os latinos e imbecillity tem raiz latina, fui ao dicionário de latim, e pronto: imbecillitas é fraqueza. Os homens procuram Deus por causa da própria fraqueza, e Deus tem a característica oposta. Aí sim, faz sentido. Fui ao latim mais de uma vez, e pus nota para avisar e justificar essas opções que não são óbvias, porque o leitor tem o direito de saber como foram feitas e decidir se são as melhores. Quanto ao aspecto literário, escolhi usar “tu” e “vós”, sem “você”. Não me pareceria fiel a um clássico setecentista cheio de personagens com nomes gregos usar uma linguagem coloquial e contemporânea.

3) Na obra que você traduziu, David Hume faz um debate a partir dos personagens sobre a existência de Deus, porém, ainda nos dias atuais este assunto é um tabu na esfera pública. Por quê?

De fato, vi uma pesquisa de apenas dez anos atrás onde se dizia que era mais fácil eleger-se um gay para presidência do Brasil do que um ateu. Acredito que é porque poucas pessoas têm ocasião de se declarar ateias, e não é possível flagrar o ateísmo de alguém. Se um homem for pego dando um beijo em outro, ou se apresentar o namorado, estará claro que é gay, mas se você descobrir que um homem não vai à missa, nem ao culto, nem ao terreiro, ainda poderá achar que ele acredita em “algo” ou que é católico não-praticante. Resultado é que ninguém identifica ateus, nem tem ocasião de olhar para pessoas banais e descobrir que é falsa aquela ideia demoníaca de ateu.


Tags da postagem

Filosofia Edufba religião Nível de Informação Autoconhecimento Bruna Frascolla David Hume Teologia

Comentários

Para comentar, acesse com seu Passaporte Archipèlagus validado.

Acessar