Voz do Autor – Entrevista com o Prof. Gustavo Calçado, autor da Edunit

Calçado fala sobre ser professor de alunos iniciantes e sobre a compreensão das pessoas sobre a Constituição Federal

Cadastrado em 15/08/2016 15:20
Atualizado em 16/08/2016 09:43

Notícia por ABEU

Voz do Autor – Entrevista com o Prof. Gustavo Calçado, autor da Edunit

Como o cidadão comum pode compreender melhor a Constituição Federal e saber mais sobre seus direitos e deveres? Este foi um dos principais assuntos da entrevista desta semana da coluna A Voz do Autor, realizada com o professor e constitucionalista Gustavo Calçado. Autor do livro Teoria da Constituição, escrito em parceria com o professor Ilzver Matos e lançado pela Editora da Universidade Tiradentes, Calçado é graduado em Direito pela Universidade de Uberaba, além de ser Mestre em Direitos Coletivos, Cidadania e Função social da Constituição. Também possui pós-graduação em Direito Constitucional e membro do corpo editorial da Revista Direito e Inovação. Confira abaixo a entrevista completa:

1. Seu mais recente livro, "Teoria da Constituição", busca introduzir temas que envolvem o Direito Constitucional para iniciantes nos estudos jurídicos. Além disso, o senhor já tem uma longa carreira no ensino desta disciplina, inclusive na Pós-graduação da Universidade Tiradentes. Por que, então, este interesse em ensinar a novos alunos os primeiros passos do Direito?

Sou privilegiado por fazer o que gosto. Produzir academicamente é sempre uma satisfação. Penso o papel do professor como um revolucionário. Revolucionário no sentido de mostrar alternativas de reflexão e de contribuir com a liberdade dos estudantes. Meus alunos são livres, livres para pensar, para criticar e, sobretudo, duvidar. 

Oportunizar ao estudante, ainda incipiente no Direito, alternativas de reflexão e de pensar o sistema jurídico, é sensacional.

2. O repentino e crescente interesse do brasileiro pela política tem também trazido um debate mais acalorado sobre o texto da Constituição Brasileira. Usando as redes sociais, os cidadãos discutem e se valem da Lei para defender seus pontos de vista ou para criticarem seus adversários, muitas vezes de forma errônea. Deste modo, o senhor acha que o ensino da Constituição, desde a escola, ajudaria a tornar o brasileiro mais esclarecido sobre sua própria Constituição, enriquecendo o debate público? 

Seria fantástico, contudo é indispensável que haja uma discussão sobre o modo como a Constituição seria trabalhada com os secundaristas. Penso que se adotássemos métodos construtivistas o resultado positivo fluiria naturalmente, no sentido de amadurecimento político, conscientização social e humana.

3. Por fim, que sugestões o senhor daria para aqueles que gostariam de compreender melhor as nossas leis e direitos? Como o senhor acha que um leigo poderia se aproximar do entendimento do Direito?

Penso que essa aproximação deveria ser de iniciativa do jurista. O Direito é, naturalmente, prepotente. Basta avaliarmos as vestimentas dos advogados, as togas dos magistrados, o vocabulário rebuscado, a solenidade de uma audiência, a hierarquização de sua estrutura. Tudo isso, contribui para o distanciamento. Portanto, a mudança de postura deve partir do jurista. O STF vem contribuindo com a aproximação quando realiza audiências públicas, permitindo a participação da sociedade civil na construção das decisões.


Tags da postagem

edunit Voz do Autor Conhecimentos Técnicos Nível de Informação Nível de Comunicação

Comentários

Para comentar, acesse com seu Passaporte Archipèlagus validado.

Acessar