Catálogo Universitário

Os ganhadores do Prêmio ABEU 2017 oferecem uma ótima leitura

Em 28/11/2017 14:39
Atualizado em 28/11/2017 14:44

Notícia por ABEU

Catálogo Universitário

Em novembro, os livros vencedores do Prêmio ABEU 2017 só poderiam fazer parte das nossas dicas de leitura na coluna Catálogo Universitário. Afinal, estas são obras reconhecidas como as melhores edições universitárias em suas categorias, portanto, não há dúvida de que trazem um conteúdo rico e temas relevantes para o debate público. Resolvemos dar mais detalhes sobre os títulos agraciados com o 1º lugar no prêmio, de modo que nossos leitores possam conhece-los melhor. Mas você pode ver a lista completa de finalistas aqui, e nós garantimos que os segundos e terceiros colocados, além dos livros com menção honrosa, trazem também a mesma qualidade de leitura e profundidade nas abordagens.

Ganhador na categoria “Ciências Humanas” do Prêmio ABEU, o livro “A instrução pública nas vozes dos portadores de futuros” é nossa primeira dica. Escrito pelo professor Carlos Monarcha e publicado pela EDUFU, o livro vem colecionando premiações, ficando em 2º lugar na categoria “Educação e Pedagogia” do Prêmio Jabuti. A obra integra a coleção “História, pensamento, educação” e é o resultado de um empenho em apreender as fluentes pressões políticas, sociais, culturais, econômicas e demográficas nos domínios da instrução pública, nos séculos XIX e XX, até o Estado Novo. A instrução pública vem sendo estudada nesse período, mas quase sempre com um foco determinado, o que, sem desmerecer a literatura já publicada, deixa ao leitor a tarefa de apreender as diacronias e sincronias.

“Vivencial: imagens do afeto em tempos de ousadia” foi o 1º lugar na categoria “Capa”, tendo sido publicado pela Editora Massangana/Fundação Joaquim Nabuco, com autoria de Ana Farache e Jorge Borges. Nada mais natural que um livro de fotografias ganhe o prêmio por sua capa, que foi clicada por Ana Farache. O título traz um vasto acervo fotográfico do Vivencial, um dos mais irreverentes grupos teatrais brasileiros dos anos 70, atuando principalmente em Olinda/PE. A obra reúne 105 fotografias realizadas entre 1979 e 1983, em película preta e branca, com utilização exclusiva da luz natural. São imagens do grupo nos camarins, palco, além portraits produzidos fora do ambiente teatral.

Organizado por Alain Meunier, Edson Campanhola Bortoluzzi e André Sampaio Mexias, “O Mundo das Argilas”, da Editora da UFRGS, levou o 1º lugar na categoria “Ciências Naturais e Matemáticas”. A obra tem como objetivo apresentar de forma didática e bilíngue (francês/português) aos estudantes de nível superior e pós-graduação (geólogos, agrônomos e áreas afins) o conhecimento acumulado sobre as argilas argilominerais.

O livro da EdUSP, “Graciliano Ramos e a Cultura Política: mediação editorial e construção de sentido” foi o 1º colocado na categoria “Ciências Sociais e da Expressão” e escrito pelo pesquisador Thiago Mio Salla. Entre 1941 e 1943, Graciliano Ramos contribuiu com o periódico getulista “Cultura Política: Revista Mensal de Estudos Brasileiros”, produzindo crônicas para a seção “Quadros e Costumes do Nordeste”. Nesta obra, o autor analisa o conjunto desses textos, sem os desvincular das circunstâncias históricas em que foram publicados ou do enquadramento discursivo conferido a eles pelo periódico. Graciliano Ramos e a Cultura Política é, portanto, resultado de uma pesquisa minuciosa em que o autor examina a edição e a recepção das crônicas de Graciliano, bem como o discurso cultural dos anos de 1930 e 1940.

A categoria “Ciências da Vida” do Prêmio ABEU teve como vencedor o título “Brasil Saúde Amanhã: população, economia e gestão”, publicado pela Editora Fiocruz e organizado por Paulo Gadelha, José Carvalho de Noronha, Telma Ruth Pereira e Sulamis Dain. O livro, que também foi finalista do Prêmio Jabuti, pretende refletir sobre o Brasil que queremos em um horizonte de vinte anos. Comprometido com a efetivação do SUS e a melhoria da saúde pública brasileira, o livro discute temas como projeções do perfil epidemiológico do país, organização e gestão dos serviços de saúde. Para identificar tendências, construir indicadores e intervir na realidade, os autores utilizam as ferramentas da prospecção estratégica. O livro integra um conjunto de publicações resultantes da iniciativa Brasil Saúde Amanhã, rede multidisciplinar de pesquisa, coordenada pela Fiocruz, com apoio do Ministério da Saúde.

Por fim, nossa última dica é o riquíssimo 1º colocado da categoria “Projeto Gráfico”: “A Modernidade Impressa: artistas ilustradores da Livraria Globo – Porto Alegre”, publicado pela Editora da UFRGS, realizado pela designer Paula Ramos e com projeto gráfico de Sandro Fetter. A obra também foi premiada com o 1º lugar no Prêmio Jabuti na categoria “Arquitetura, Urbanismo, Artes e Fotografia”.  livro aborda a história da Livraria do Globo a partir de sua produção gráfica, enfatizando os artistas ilustradores que trabalharam na legendária Seção de Desenho da empresa, na primeira metade do século XX, sob a gerência do designer alemão Ernst Zeuner (1895 1967). Esses artistas criavam capas, ilustrações, vinhetas, identidades visuais, num trânsito entre artes visuais, artes gráficas e design.

Como já dissemos, não precisa se ater a apenas essas 6 obras. Os demais finalistas do Prêmio ABEU também trazem inovação aos livros universitários. Com certeza você terá boas horas de leitura garantidas até o ano que vem.


Tags da postagem

Catalogo Universitario Premio ABEU Nível de Informação Nível de Comunicação