A Voz do Autor – Entrevista com a autora da Editus, Maria Luiza Santos

Na conversa, a autora comenta sobre suas produções no âmbito da literatura infantil

Em 23/01/2017 08:49
Atualizado em 24/01/2017 12:05

Entrevista por ABEU

A Voz do Autor – Entrevista com a autora da Editus, Maria Luiza Santos

Com mais de um livro publicado pela Editus – Editora da UESC, a professora Maria Luiza Santos é a entrevistada desta semana na coluna A Voz do Autor. Pesquisadora da área de migrações e identidades, suas mais recentes obras são curiosamente voltadas para o público infanto-juvenil, buscando mostrar para as crianças a importância do senso de pertencimento ao lugar onde vive. A autora, além de pesquisadora, é professora adjunta da Universidade Estadual de Santa Cruz e também autora dos livros acadêmicos “O quibe no tabuleiro da baiana” (2006) e “Fluxos Contemporâneos” (2014). Em nossa conversa, Maria Luiza Santos comenta tanto sobre sua produção científica quanto a respeito das suas experiências na literatura infantil. Ela comenta ainda sua participação em ações de fomento à leitura, demonstrando sua preocupação constante com a formação do público leitor.

1. Em parceria com a Editus, você publicou dois títulos voltados para o público infanto-juvenil: "Tonico descobre que é de todo lugar" e "As viagens de Carola Migrista... Migrante ou Turista?". Ambos tratam da questão da migração e do sentimento de pertencimento a um determinado lugar. Por que é importante tratar destes temas com as crianças?

Vivemos em um mundo complexo e controverso. Temos muito conforto, muita tecnologia, amplo desenvolvimento científico nas diversas áreas, mas carecemos de respeito, afetividade e solidariedade. A identificação entre o eu e o outro tem sido feita de forma equivocada, ou seja, o que me interessa é relevante, o que não me diz respeito não precisa ser resolvido... Penso ser essa uma forma equivocada de ver o mundo. Trabalhar o conceito de alteridade com crianças e jovens pressupõe o crescimento de pessoas com um olhar plural sobre a humanidade e com respeito ao mundo dos que não lhe são iguais, entendendo a diferença não como um problema, mas como uma condição natural. Hoje o tema das migrações e identidade é bastante recorrente. Estamos presenciando nessa seara ações altamente danosas à humanidade. Mas, ao mesmo tempo, bons exemplos surgem por parte de organizações, agências e sociedade civil. No momento em que podemos divulgar esse debate através de artigos científicos, entrevistas e adequando o contexto à literatura infanto-juvenil, acreditamos que estamos fomentando uma sociedade melhor. A Editus encampou a ideia e, além da publicação, cuida amplamente da divulgação, o que torna o trabalho ainda mais prazeroso e com um bom nível de qualidade. 

2. Você também está engajada em projetos de fomento à leitura, como o projeto Lápis na Mão, da TV Santa Cruz, e a ação Leitura Vai à Praça. Poderia falar um pouco mais sobre essas atividades e por que acredita ser importante o incentivo à leitura?

Tais projetos complementam a atividade do escritor. Poder interagir com o público que lê o seu livro é muito interessante. É um feedback constante, ao vivo e em cores. Ambas as iniciativas deram um suporte bastante positivo à minha escrita. Projetos de novos textos foram alterados, penso que para melhor, devido à essa interação com o público através das rodas de entrevistas. É via de mão dupla, ou tripla, se assim podemos dizer, entre autor, comunidade e universidade, pois quebra as barreiras da inacessibilidade entre o público e o autor e também entre a comunidade e a própria universidade.  

3. Além dos livros infantis, você também possui publicações acadêmicas, que também dizem respeito à questão da identidade com o local em que se vive. Seu livro "Fluxos contemporâneos", por exemplo, trata das configurações identitárias na Região Cacaueira, na Bahia. Qual seria o papel do migrante na formação cultural e desenvolvimento desta região?

"Fluxos Contemporâneos" teve origem por ocasião do doutorado, quando optei por perceber a região sul baiana também pelo olhar dos que aqui chegam, no caso o migrante de mão de obra qualificada. Foi um trabalho muito intenso, pois ao mesmo tempo estava lidando com migrantes e acadêmicos. Estamos falando de uma região tradicionalista, por excelência, calcada na monocultura cacaueira. Portanto, o diferente, o “chegante”, em termos de pessoas, e a diversidade, em termos culturais, não foram facilmente palatáveis. Mas, o novo e as mudanças chegam para todos. Penso que sempre para melhor... Ressignifica espaços, reconfigura conceitos e dá movimento a culturas estacionadas. Acredito que o papel desses migrantes é a soma de aspectos e vivências que são trazidos de outros espaços e que gradativamente estão sendo inseridos no contexto sul baiano. Por outro lado, há também a absorção dos costumes e cultura local para aqueles que aqui aportam em um movimento de transformação constante, que ajuda no crescimento daqueles que sabem aproveitar.



Tags da postagem

Editus editora da uesc Maria Luiza Santos Nível de Informação