"Acreanidade": invenção e reinvenção da identidade acreana

As informações desta página são responsabilidade exclusiva de Edufac. Saiba mais

"Acreanidade": invenção e reinvenção da identidade acreana Passe o mouse sobre a foto

SINOPSE

Este livro é uma versão resumida da Tese de Doutorado da autora, defendida em dezembro de 2008, sob orientação de Rogério Haesbaert, no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFF. A “acreanidade”, título deste livro é um termo criado pelo Governo da Floresta (1999/2006), e diz respeito a ressignificação da identidade acreana. Esta ressignificação está pretensamente ancorada na trajetória de índios e seringueiros no Acre, sem, no entanto, negar os signos identitários do acreanismo. A acreanidade, nas palavras oficiais: é o reencontro do acreano com a floresta (propiciado pelo Governo do PT) através do reconhecimento de uma matriz florestal da sociedade acreana e da implementação de políticas florestais. É o processo de valorização do passado, ou seja, da história do acreano e do seu modo de vida (realizado pelo Governo da Floresta via programa de desenvolvimento sustentável e do “resgate” da memória acreana). É o sentimento de pertencimento: do povo acreano ao território do Acre. Construído discursivamente através da suposta valorização da trajetória dos homens que fizeram o Acre; construído, enquanto discurso, a partir da chegada dos migrantes nordestinos aos altos rios, os quais foram amansados pela floresta, a partir da vida que tiveram que aprender a viver com os índios. É também a releitura do passado, a busca dos conhecimentos e valores dos povos que aqui viviam e que aqui chegaram, do aprendizado com o passado ao longo dos mais de cem anos de história. Para recontar esta história foram escolhidos os heróis, da Revolução Acreana, Luiz Galvez e Plácido de Castro: o primeiro pela criação do Estado Independente do Acre (1889) e pelo discurso fundador do Acre; e Plácido de Castro é aquele que organizou um exército de seringueiros e ganhou a guerra. Do Movimento Autonomista foi escolhido José Guiomard dos Santos, autor do Projeto de Lei que criou o Estado do Acre. E do movimento seringueiro foi escolhido Chico Mendes. Estas são questões discutidas neste livro.

Informações adicionais