Palavras com quem con-verso, para desdobrar-me

As informações desta página são responsabilidade exclusiva de Edufac. Saiba mais

Palavras com quem con-verso, para desdobrar-me Passe o mouse sobre a foto

SINOPSE

Apresentação:

Eis um conjunto de escritos, que julgo poemas, que há muito reluto em torná-los público. Mas, percebo que é chegado o tempo de dividir uma seleção de textos com os demais, alguns em decantamento faz 24 anos, e outros bem recentes. Confesso que recebi uma ajuda inestimável de minhas professoras de literatura na época de graduação na Universidade Federal de Rondônia – Campus de Guajará-Mirim, incentivando-me a escrever mais e a divulgar os poemas. Naquele período, fiz pouquíssimas divulgações e participação em apenas dois concursos de poemas. Mas, quanto ao material já suficiente para publicação, não fiz a divulgação naquela época. Os poemas ficaram silentes e aguardando... Então, depois de um tempo, uma pessoa muito querida para mim, Dom Geraldo Verdier (in memoriam), disse que eu tinha veia poética, mas teria que pensar na forma de expressão, trabalhar o texto para perceber se o que eu queria transmitir era o que estava escrito. De novo, os textos ficaram dormentes. Por causa disso, olhava de tempo em tempo alguns escritos, perdidos entre anotações de livros e folhas avulsas, e alguns organizados em forma de coletâneas, mas eles se recusavam a ser modificados... Durante os períodos de pós-graduação, os poemas me visitaram de quando em quando, rasgando as tramas do mundo “científico”, corrigindo rumo, acalentando as reflexões. Dessa forma, com pouquíssimas modificações, os poemas julgaram que o momento é propício para alçar voos (acabou a desculpa de que não tinha tempo!). E como irá perceber, cara leitora e caro leitor, escrevo não porque quero; escrevi e escrevo porque sou impelido pelas palavras com quem converso e que ajudam a me desdobrar. Por fim, deixo registrado meu agradecimento ao amigo João Carlos de Souza Ribeiro (Joãozinho), da nossa Universidade Federal do Acre, Campus de Rio Branco, por ler os textos dessa coletânea e por realizar uma magistral apresentação, com a qual fiquei lisonjeado.

Vão, poemas. Lancem voo!

Selmo Azevedo Apontes

Informações adicionais