EDUFSC
Florianópolis, SC

Catálogo


CÓDICES - OS ANTIGOS LIVROS DO NOVO MUNDO

As informações desta página são responsabilidade exclusiva de EDUFSC. Saiba mais

CÓDICES - OS ANTIGOS LIVROS DO NOVO MUNDO Passe o mouse sobre a foto

R$69,00

SINOPSE

O admirável novo mundo da Mesoamérica

Códices – os antigos livros do Novo Mundo, de Miguel León-Portilla, publicado pela Editora da UFSC, é a famosa faca de dois legumes: serve tanto para os não-iniciados, quanto para os leitores já familiarizados com o tema: o estudo dos livros e manuscritos feitos pelos povos indígenas da Mesoamérica em tempos pré-hispânicos e coloniais, como os códices maias, mixtecos e astecas.

Dividido em cinco capítulos, o trabalho mostra que esses documentos atraíram a atenção dos espanhóis e de outros europeus desde datas muito antigas. No primeiro, León-Portilla discute a significação que esse tipo de documento tinha nos diversos aspectos e contextos no cotidiano da Mesoamérica. O que ele representava nos templos, nas escolas, no governo, na administração pública e também na rotina daqueles de linhagem, como no caso dos macehuales, a gente do povo.

Como os livros do México antigo, assim como a própria cultura, também sofreram o impacto da conquista, o segundo capítulo resgata as razões para isso. “Houve quem destruiu os manuscritos nativos porque os consideraram inspirados pelo demônio. Mas houve, também, entre os mesmo espanhóis, quem lamentou a destruição”, explica o autor.

Mesmo assim, lembra León-Portilla, os nativos sobreviventes continuaram elaborando novos manuscritos por conta própria. Alguns religiosos, que conservaram o humanismo renascentista das universidades onde tinham se formado, não somente lamentaram as perdas como também quiseram compensá-las, resgatando o que puderam do antigo legado indígena.

Portilla também trata da relação existente entre a oralidade, ou seja, a tradição comunicada de viva voz, e o conteúdo dos códices. A ideia é mostrar como essa relação era operada nos tempos pré-hispânicos e como ela foi um fator-chave nas novas leituras.

Ele descreve e avalia ainda os grandes momentos nos quais diversos pesquisadores, sobretudo desde o século XIX, ocuparam-se desses livros, e mostra a considerável variedade de códices que chegaram até nós, tanto os pré-hispânicos como os do período colonial. “Quero destacar a riqueza e a ampla gama de significações dos livros mesoamericanos que, vale a pena ratificar, são os mais antigos livros produzidos foram do contexto do Velho Mundo”, assina Miguel León-Portillo.

Segundo Eduardo Natalino dos Santos, pesquisador de estudos mesoamericanos e andinos da Universidade de São Paulo, “um dos grandes méritos dessa obra reside na atualização do leitor brasileiro em relação ao pensamento desse importante historiador e intelectual mexicano, conhecido pela publicação de Visión de los vencidos. Relaciones indígenas de la Conquista, coletânea de textos ameríndios sobre a conquista espanhola”.

[COMPRAR]

Informações adicionais

  • Peso: 0,40 Kg
  • Dimensões do produto
    • Comprimento: 0,00 cm
    • Altura: 21,00 cm
    • Largura: 15,00 cm